SÍNDROME DO TRATO ILIOTIBIAL: JOELHO DO CORREDOR

A Síndrome do Trato Iliotibial, também conhecida como Joelho do Corredor, é uma das causas mais comuns de dor lateral no joelho em atletas que realizam movimentos repetitivos de flexão e extensão do joelho. Ocorre predominantemente em atletas corredores e ciclistas e comumente está relacionada ao excesso de treinos (overtraining).

O QUE É O TRATO ILIOTIBIAL?

O trato iliotibial é uma estrutura densa e fibrosa que se origina na crista ilíaca (osso da pelve), atravessa a porção externa da coxa até o joelho, inserindo-se no côndilo lateral da tíbia (osso da perna).

Recebe as inserções dos músculos glúteo máximo e tensor da fáscia lata, auxiliando na manutenção do corpo na posição ereta. Além disso, contribui para a estabilização da pelve durante a deambulação e estabilização lateral e dos movimentos de rotação do joelho.

 

COMO OCORRE A SÍNDROME DO TRATO ILIOTIBIAL?

Durante a prática da atividade física, os movimentos de flexão (dobrar) e extensão (esticar) do joelho provocam o deslocamento do trato iliotibial para frente e para trás causando o atrito em uma proeminência óssea do fêmur: o epicôndilo lateral.

 

Quando o trato iliotibial encontra-se tenso, ocorre aumento da compressão sobre o epicôndilo lateral levando à inflamação da bursa local e, consequentemente, dor, inchaço local e estalos.

 

Alguns fatores como joelhos varos (curvado para fora), fraqueza da musculatura glútea ou do quadríceps femoral, diferença de comprimento entre as pernas, inclinação anormal da pelve, má postura, mau posicionamento da bicicleta, podem predispor ao desenvolvimento do Joelho do Corredor.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO?

O diagnóstico é realizado através da história clínica detalhada do paciente associado ao exame físico evidenciando dor à palpação da região externa (lateral) do joelho da topografia do epicôndilo lateral.

Geralmente a dor aparece ao longo da atividade e piora gradativamente até que o atleta precise interromper o treino. Alguns casos podem evoluir com inchaço local e estalos.

A realização de exames de imagem como a ressonância magnética é importante para exclusão de outras causas de dor como outras lesões de partes moles extra-articulares ou intra-articulares (cartilagem, ossos e meniscos).

COMO É O REALIZADO O TRATAMENTO DA SÍNDROME DO TRATO ILIOTIBIAL?

O tratamento conservador é feito através do uso de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos, bolsa de gelo local e fisioterapia.

O objetivo da fisioterapia é:

  • Diminuir a inflamação e, consequentemente, a dor na lateral do joelho;
  • Liberação/alongamento do trato iliotibial;
  • Fortalecimento muscular da coxa e do quadril;
  • Correção dos movimentos e melhora da técnica esportiva.

Casos com dor intensa ou que não apresentem boa resposta ao tratamento conservador, a infiltração de medicação anti-inflamatória local pode ajudar na melhora dos sintomas. O afastamento parcial ou temporário da atividade esportiva deve ser avaliado caso a caso.

O tratamento cirúrgico é realizado nos raros casos em que o tratamento conservador não foi suficiente para melhora da dor e consiste na liberação cirúrgica do trato iliotibial, diminuindo as forças de compressão no local. Não é recomendável a utilização de imobilização logo após a cirurgia. Muletas podem ser utilizada na fase inicial de recuperação seguido pela fisioterapia.

COMO É A REALIZADA A PREVENÇÃO?

A prevenção é realizada através de:

  • Exercícios de alongamento;
  • Fortalecimento muscular da coxa e do quadril;
  • Aprimoramento da técnica esportiva;
  • Manutenção adequada dos equipamentos (tênis, bicicleta);
  • Progressão gradual do treinamento intercalado com períodos de descanso para evitar o overtraining.

Caso persista com dor no joelho durante a atividade esportiva, é recomendável interromper a atividade e consultar um médico especialista para correto diagnóstico evitando o agravamento da lesão.

Dr. Diego Moelas Sotini
Especialista em Cirurgia de Joelho e Artroscopia.
CRM-SP: 171506 | RQE: 93748

Ficou alguma dúvida?

Entre em contato e agende a sua consulta:

(11) 97489-5500