Fraturas por estresse: Como ocorrem e como tratar

Normalmente, os ossos humanos se remodelam diariamente de acordo com a realidade de cada indivíduo. No entanto, em alguns casos, um grande desgaste pode resultar em microfraturas no osso que causam uma condição chamada de fratura por estresse.

As fraturas por estresse ocorrem quando o músculo das pernas, sobrecarregados, transferem o estresse e a sobrecarga para o osso. A condição pode ser dolorosa e limitante para a qualidade de vida do paciente acometido.

Neste artigo, você entenderá mais sobre o que causa as fraturas por estresse e como é possível tratá-las. Boa leitura!

 
Imagem26

Quais são as causas das fraturas por estresse?

A tíbia, osso localizado logo abaixo do joelho, é o local mais comum e responsável por mais de 50% dos casos de fraturas por estresse na população. A condição ocorre em decorrência do sobrepeso gerado em cima do joelho.

As fraturas por estresse geralmente são causadas por uma sucessão de microfraturas resultantes da sobrecarga no joelho. Algumas das principais causas são:

  • Movimentos repetitivos que gerem estresse ou sobrecarga no joelho;
  • Fadiga ou insuficiência do osso;
  • Fraqueza muscular;
  • Lesões esportivas ou traumas.

Existem fatores de risco para a fratura por estresse?

Sim, existem alguns aspectos que estão frequentemente associados ao surgimento de fraturas por estresse. Geralmente, atletas de corrida de longa distância, por exemplo, estão mais sujeitos a sofrerem esta lesão. Outros fatores podem estar associados ao estilo de vida e condições físicas, como:

  • Sobrepeso;
  • Atividades físicas feitas de maneira inadequada ou com aumento súbito de intensidade;
  • Condições médicas como osteoporose e deficiências de vitamina D e cálcio;
  • Uso de calçados com baixa absorção de impactos;
  • Lesões por estresse anteriores.

Sintomas das Fraturas por Estresse

Os principais sintomas que podem estar associados as fraturas por estresse são:

  • Dores na parte da frente do joelho;
  • Inchaço;
  • Presença de hematomas;
  • Dificuldade para caminhar;
  • Dores constantes ou que pioram ao realizar atividades;
  • Sensibilidade ao tocar a região.

 

Os sintomas das fraturas por estresse são similares aos de diversas outras condições do joelho. Portanto, na presença de um ou mais dos sinais acima, é preciso buscar um ortopedista especialista em joelho qualificado para obter o melhor diagnóstico e realizar o tratamento correto.

Como é feito o diagnóstico da fratura por estresse?

Na maioria dos casos, o diagnóstico para a fratura por estresse é feito por meio de avaliação da história clínica do paciente e os exames de imagem.

A radiografia do joelho é a mais solicitada, por ser um exame mais acessível. No entanto, em alguns casos, é possível que o médico solicite a cintilografia óssea ou a ressonância magnética para confirmação do diagnóstico, já que estes exames são mais precisos.

Imagem27
Exame de imagem de uma antiga paciente, mulher triatleta com quadro de fratura por estresse no maléolo lateral.

Como é feito o tratamento das fraturas por estresse?

Primeiramente, é preciso levar em consideração as causas que resultaram a lesão para poder tratá-las, tanto as condições médicas associadas quanto a reeducação para prática de atividades físicas, controle da obesidade, entre outros. As fraturas por estresse geralmente são pequenas, então não costumam ser tratadas através de cirurgia. Sendo assim, os principais tratamentos conservadores incluem:

  • Repouso;
  • Uso de órteses ou joelheiras;
  • Medicamentos como anti-inflamatórios não esteriodais (AINEs);
  • Afastamento de atividades que causem dor;
  • Compressas de gelo.

Em alguns casos mais sérios e que apenas as medidas acima não sejam capazes de gerar uma resposta satisfatória ao paciente, é possível que sejam feitas imobilizações do joelho com gesso e, mais raramente, procedimentos cirúrgicos.

 
Imagem28

Quando é possível ter indicação cirúrgica devido a lesão por estresse?

A cirurgia para fraturas por estresse no joelho é recomendada em situações específicas, já que muitas fraturas por estresse podem ser tratadas com sucesso por meio de tratamentos conservadores.

Contudo, a intervenção cirúrgica pode ser necessária em casos de fraturas com alto risco, deslocamento significativo dos ossos e falta de resposta aos tratamentos anteriores.

O tipo de procedimento cirúrgico dependerá da localização e da gravidade da fratura, podendo incluir a fixação interna com parafusos, placas ou hastes, e em alguns casos, enxertos ósseos para promover a cicatrização.

O tratamento para fratura por estresse em atletas é o mesmo?

Depende.

Atletas de alto nível podem receber indicação cirúrgica mais cedo durante o tratamento a fim de acelerar o retorno ao esporte, especialmente se a fratura por estresse estiver localizada em uma área que afeta significativamente o desempenho esportivo.

Em quanto tempo um atleta pode praticar esporte após uma fratura por estresse?

A liberação de atletas para retornar as atividades físicas dependerá da avaliação individual do paciente e dos critérios do médico responsável pelo caso. Para isso, serão levados em consideração fatores como a gravidade da fratura, a resposta ao tratamento e o nível de exigência do esporte praticado. 

Normalmente, são feitos exames de imagem antes para avaliar a cicatrização da fratura e testes físicos para perceber a presença de sintomas como dores. Inicialmente, é preciso que o atleta adapte o nível de intensidade do treino durante o retorno para evitar a recorrência.

 
Imagem29

Qual o risco de não tratar uma fratura por estresse?

Não tratar uma fratura por estresse pode levar a várias complicações, incluindo o agravamento da fratura, a cicatrização de maneira inadequada e problemas de alinhamento ósseo, o que pode afetar a mobilidade e a função do joelho.

A fratura por estresse também pode resultar em dor crônica e complicações a longo prazo, como artrite ou recorrência de fraturas.

Portanto, é indispensável buscar orientação médica e seguir as recomendações de tratamento para a fratura por estresse, a fim de promover uma recuperação completa e evitar complicações futuras.

É possível prevenir o surgimento de novas fraturas por estresse no joelho?

Sim!

Existem uma série de cuidados que um paciente pode ter para evitar as fraturas por estresse, como estudar e manter acompanhamento sobre as causas que levaram ao surgimento de lesões anteriores, a fim de modificar hábitos, mas também existem precauções gerais, como:

  • Manter uma dieta balanceada e o peso ideal;
  • Modificação de atividades físicas;
  • Fortalecimento muscular;
  • Sono adequado;
  • Uso de calçados adequados ao realizar exercícios físicos.

 

As fraturas por estresse representam um alerta sério para sua saúde óssea, especialmente para atletas e aqueles que mantêm um estilo de vida ativo. Caso você esteja enfrentando sintomas ou dor, é importante consultar um ortopedista especialista em joelho para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento personalizado.

Agir agora pode prevenir complicações futuras e garantir uma recuperação efetiva, permitindo que você retorne às suas atividades diárias sem dor.

Sou o Dr. Diego Moelas, especialista em Cirurgia de Joelho e Artroscopia. Atendo em diversos hospitais de São Paulo (Hospital Sírio Libanês, Hospital Nove de Julho, Hospital Samaritano, Hospital Oswaldo Cruz, entre outros) e estou disposto a te ajudar!