Cistos no joelho: Principais tipos, diagnóstico e tratamentos

Os cistos no joelho são lesões caracterizadas pelo acúmulo de líquido dentro de uma pequena bolsa, como uma bola. Essa é comumente uma das possíveis causas de dores no joelho, tanto na parte anterior, posterior ou medial do joelho.

Em alguns casos, o cisto no joelho pode ser confundido com outras lesões da região ou até mesmo ser assintomático. Continue lendo e eu te ajudo a entender os sintomas, como é feito o diagnóstico e tratamento para a condição!

Principais tipos de cistos no joelho


Existem diferentes tipos de cistos no joelho, se diferenciando principalmente pela localização. Os mais comuns são formados, principalmente, pelo acúmulo de líquido sinovial dentro da articulação, como por exemplo:

  • Cistos Poplíteos ou Cisto de Baker: Caracterizado pelo acúmulo de líquido sinovial que forma uma bolsa atrás do joelho, na região poplítea;
  • Cistos Meniscais: Formações de fluido próximo aos meniscos do joelho, geralmente associadas a lesões meniscais;
  • Cistos Ganglionares: Massas compostas por fluido que geralmente se formam ao longo dos tendões ou articulações dos joelhos, seja na parte frontal ou posterior.
 

Quais são os sintomas do cisto no joelho?


Na maioria dos casos os cistos no joelho costumam ser assintomáticos, ou seja, o paciente não apresenta nenhum sintoma e acaba encontrando a lesão por acaso ao realizar exames como ressonância magnética (RM) por outras condições.

Mas, é possível que alguns pacientes com cisto no joelho apresentem sintomas como:

  • Crescimento de uma lesão palpável na região do joelho;
  • Dores recorrentes no joelho;
  • Sensação de crepitação e travamento da articulação do joelho;
  • Redução da movimentação.

É importante que qualquer sintoma fora do comum que acometa o joelho de forma recorrente seja investigado o mais cedo possível para receber o melhor tratamento.

Existem fatores de risco para o surgimento dos cistos no joelho?

Sim, mesmo que não sejam determinantes, existem alguns fatores que podem aumentar o risco de aparecimento de cistos no joelho, como:

  • Doenças articulares - artrite reumatoide, osteoartrite ou gota;
  • Lesões no joelho;
  • Idade - os cistos são mais comuns em pessoas de meia-idade ou mais velhas;
  • Atividades físicas que colocam pressão constante sobre os joelhos;
  • Inflamação persistente no joelho.

Os cistos costumam ser malignos?

Depende, mas em sua grande maioria não, como é o caso do cisto de Baker. Isso porque os cistos no joelho mais comuns são resultado do acúmulo de líquido sinovial no joelho.

Sendo assim, os cistos no joelho tendem a ser mais um incômodo e uma causa de dor do que algo mais grave, já que comumente não são cancerígenos.

No entanto, pacientes que apresentem sintomas como dor, desconforto e redução do movimento resultantes de um cisto precisam buscar um médico o quanto antes para ter um melhor diagnóstico e tratamento da condição.

 

O cisto no joelho pode estar relacionado a trombose?

Não há evidências sobre a relação entre os cistos no joelho e a trombose. No entanto, é possível que os sintomas da Trombose Venosa Profunda sejam confundidos com o rompimento do cisto de Baker.

Em ambas as condições, o paciente pode apresentar dores fortes na panturrilha, inchaço do joelho ao tornozelo e até a dificuldade de mobilidade da perna.


Como é feito o diagnóstico do cisto no joelho?

Um diagnóstico adequado é essencial para direcionar o melhor tratamento, mas também para descartar a possibilidade de lesões que podem se assemelhar com cistos, mas que são diferentes, como hematomas, abcessos e lesões vasculares.

Para realizar o diagnóstico do cisto no joelho, o ortopedista especialista pode solicitar:

  • Histórico clínico: O paciente deverá informar ao médico sobre sintomas, histórico de saúde, e atividades físicas que realiza, assim como cirurgias anteriores no joelho e outras informações;
  • Exame físico: Durante o exame físico, o médico avaliará o joelho afetado, procurando por inchaço, dor, rigidez e amplitude de movimento;
  • Exames de imagem: Para a avaliação das lesões císticas, é comum que a ultrassonografia (USG) e a ressonância magnética sejam os exames mais solicitados. Isso porque, além de permitir diferenciar os cistos de outras lesões, também avalia o grau de acometimento;
  • Exames de sangue: São solicitados exames de sangue para avaliar a presença de infecção ou inflamação.
 

Qual o tratamento para o cisto de joelho?

A definição do tratamento para o cisto no joelho dependerá do tipo de lesão, da gravidade e se ela está associada a alguma outra causa adjacente, já que em muitos casos é necessário tratar primariamente o fator do problema.

  • Repouso: É indicado para pacientes que estejam sofrendo com dor, inchaço e crepitação reduzir atividades que possam exacerbar os sintomas;
  • Compressas frias: Aplicar compressa de gelo na área afetada pode ajudar a reduzir o inchaço e a dor;
  • Medicamentos: Alguns medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) podem ser usados para aliviar a dor e reduzir a inflamação;
  • Punção: Em alguns casos mais raros, a punção do cisto é indicada para que o médico consiga fazer a injeção de medicamentos;
  • Infiltração para o bloqueio da dor: Como as dores são os sintomas mais comuns dos cistos no joelho, é possível que o tratamento inclua infiltrações com ácido hialurônico ou corticosteroides para o alívio.

  • Existe a indicação cirúrgica para quadros de cisto no joelho?

    Sim, existe. Em alguns casos, é necessário a remoção do cisto através de um procedimento cirúrgico.

    A indicação cirúrgica para cistos no joelho pode ocorrer em razão do tamanho ou da falta de resposta a outros tratamentos clínicos, a fim de aliviar os sintomas, como as dores fortes e a limitação no movimento.

    A cirurgia para cisto de joelho geralmente envolve a remoção dele e, em alguns casos, a correção da condição subjacente que está contribuindo para a formação do cisto, como uma lesão no menisco.


    Qual a técnica cirúrgica utilizada para o tratamento de cistos no joelho?

    A cirurgia para remoção do cisto no joelho frequentemente é feita por meio de uma técnica minimamente invasiva, a artroscopia.

    No procedimento, o ortopedista especialista em cirurgia de joelho usando um artroscópio, um tubo fino e flexível equipado com uma câmera e uma luz, fará pequenas incisões no joelho para então remover o cisto e tratar quaisquer condições subjacentes dentro da articulação do joelho, como lesões meniscais ou problemas de cartilagem.

 
Por ser um procedimento menos invasivo do que as cirurgias abertas, a artroscopia geralmente tem uma recuperação mais tranquila, com menos dor pós-operatória, recuperação mais rápida e menor risco de complicações.

Se você apresenta algum sintoma citado neste artigo ou notou o surgimento de alguma anormalidade na região do joelho, busque um ortopedista especialista o mais rápido possível para ter um diagnóstico preciso e iniciar seu tratamento.

Sou o Dr. Diego Moelas, especialista em Cirurgia de Joelho e Artroscopia. Atendo em diversos hospitais de São Paulo (Hospital Sírio Libanês, Hospital Nove de Julho, Hospital Samaritano, Hospital Oswaldo Cruz, entre outros) e estou a disposição para te ajudar!

Ficou alguma dúvida?

Entre em contato e agende a sua consulta:

(11) 97489-5500