Artrofibrose: O que é, causas e como tratar

É comum que alguns pacientes desenvolvam uma rigidez no joelho após passar por uma cirurgia na região, sofrerem lesões anteriores ou apresentarem quadros de osteoartrite, essa condição é chamada de artrofibrose.

A artrofibrose pode limitar a amplitude do movimento do joelho e prejudicar a função da articulação. No entanto, existem tratamentos que podem ajudar a amenizar os sintomas e a recuperar a mobilidade do paciente.

Neste artigo, eu explico sobre as causas da artrofibrose de joelho, como é feito o diagnóstico e quais são os tratamentos possíveis para a condição. Se quiser saber mais, siga lendo!

O que é a artrofibrose do joelho?

A artrofibrose é uma condição causada pela formação de tecido cicatricial após cirurgias, lesões ou pela osteoartrite, que afeta a amplitude do movimento articular da região, dificultando o movimento da articulação e, por vezes, causando também outros sintomas no paciente afetado.

Quando a artrofibrose acomete o joelho, pode resultar em rigidez significativa e perda de movimento, tornando difícil a flexão e extensão completa do joelho. Essa condição pode causar dor e desconforto, impactando a qualidade de vida do paciente.


Quais são as causas associadas a artrofibrose?

Existem algumas causas associadas ao surgimento da artrofibrose na região do joelho, como:

  • Lesões ou traumas;
  • Infecções nas articulações;
  • Artrite reumatoide e condições que causam inflamação crônica.

No entanto, a causa mais comum do aparecimento da artrofibrose no joelho são as cirurgias anteriores no joelho, como de colocação de prótese total, reconstrução do ligamento cruzado anterior (LCA) e a artroscopia. Os tratamentos cirúrgicos para cartilagem, fraturas e para luxação de patela também podem apresentar risco para a formação da artrofibrose.

 

Quais são os fatores de risco para o desenvolvimento da artrofibrose?

Além das causas associadas a artrofibrose, existem também outros fatores de risco que podem impactar no desenvolvimento da condição, como:

  • Idade: Pacientes mais velhos podem ter um risco maior de desenvolver artrofibrose;
  • Peso: Sobrepeso ou obesidade podem aumentar o risco, pois o excesso de peso coloca mais pressão sobre as articulações, afetando a cicatrização;
  • Predisposições genéticas;
  • Condições como diabetes e doenças autoimunes;
  • Estilo de vida: Hábitos como tabagismo, consumo de álcool e nutrição inadequada podem afetar a cicatrização.

No entanto, a causa mais comum do aparecimento da artrofibrose no joelho são as cirurgias anteriores no joelho, como de colocação de prótese total, reconstrução do ligamento cruzado anterior (LCA) e a artroscopia. Os tratamentos cirúrgicos para cartilagem, fraturas e para luxação de patela também podem apresentar risco para a formação da artrofibrose.

Quais os sintomas comuns da artrofibrose?

O principal sintoma associado à artrofibrose é a rigidez da articulação, que faz com que o paciente afetado possa ter os movimentos limitados na região afetada. No caso do joelho, a condição impacta no movimento de dobrar e esticar, afetando o andado e podendo causar dores, em alguns casos.

Em pacientes com inflamação na articulação do joelho, também podem surgir sintomas como inchaço e vermelhidão.


Como é feito o diagnóstico da artrofibrose no joelho?

O diagnóstico da artrofibrose de joelho é feito, prioritariamente, por meio de história clínica e exames físicos. Os exames de imagem não são determinantes para a conclusão sobre o quadro.

No consultório, o paciente deverá detalhar sobre a origem dos sintomas, lesões no joelho, cirurgias anteriores e progressão de sintomas. Já no exame físico o ortopedista avaliará a função do joelho em atividades diárias e a capacidade de realizar movimentos específicos, como dobrar ou esticar o joelho.

É importante ressaltar que o diagnóstico adequado é crucial para que o paciente receba o melhor tratamento possível para amenizar os sintomas. Portanto, um ortopedista especialista em joelho é o médico mais adequado para avaliar a condição.

 

É possível curar a artrofibrose?

Infelizmente não há como reverter a artrofibrose. No entanto, existem uma série de tratamentos que podem ser feitos a fim de recuperar a mobilidade articular do joelho e remover as dores do paciente.


Tratamentos para a artrofibrose

O tratamento conservador para a artrofibrose pode incluir uma série de terapias, que dependerão do nível de comprometimento da mobilidade e se o paciente apresenta dores e inflamações associadas. Pode incluir:

  • Fisioterapia;
  • Medicamentos para controle da dor e da inflamação;
  • Exercícios para o fortalecimento muscular;
  • Terapia com gelo.

Existe indicação cirúrgica em casos de artrofibrose?

Sim. Em alguns casos é necessário que seja feito um procedimento cirúrgico para remoção do tecido cicatricial excessivo na articulação do joelho. No entanto, a técnica é indicada somente quando o paciente não apresenta resposta aos tratamentos conservadores e apresenta rigidez articular e dificuldade de mobilidade.


Qual técnica cirúrgica é utilizada para a remoção do tecido cicatricial no joelho?

A retirada do tecido cicatricial do joelho, especialmente no contexto da artrofibrose, é geralmente realizada através de um procedimento cirúrgico conhecido como artroscopia.

No procedimento minimamente invasivo, o cirurgião faz pequenas incisões ao redor da articulação do joelho e, com a ajuda de um pequeno tubo equipado com uma câmera - o artroscópio -, ele remove o excesso de tecido cicatricial.

Recuperação e reabilitação pós-cirúrgica

Como a artroscopia para remoção do tecido cicatricial é um procedimento minimamente invasivo, o tempo de recuperação costuma ser menor, assim como o risco de complicações. No entanto, para garantir uma boa recuperação, é indicado ao paciente:

  • Repousar;
  • Manter a perna elevada;
  • Aplicar compressas de gelo para redução do inchaço;
  • Realizar sessões de fisioterapia para restaurar a mobilidade do joelho.

Além disso, é importante ressaltar que um cirurgião ortopédico experiente também é essencial para garantir que a cirurgia possa ser bem-sucedida. Também é necessário que o paciente siga rigorosamente as recomendações de cuidados pré e pós-operatórios dadas pelo médico.

 

É possível prevenir a artrofibrose no joelho?

Depende. A prevenção da artrofibrose pode ser desafiadora em casos em que há fatores de risco significativos, como cirurgias anteriores ou lesões graves. Mas é possível adotar algumas estratégias que podem ajudar a minimizar o risco de desenvolver esta condição, como:


  • Movimentação do joelho: Após uma cirurgia ou lesão, é importante que, assim que for seguro, o paciente volte a movimentar o joelho para prevenir a rigidez e a formação excessiva de tecido cicatricial;
  • Fisioterapia: É importante manter uma rotina de exercícios de amplitude de movimento, fortalecimento e alongamento após lesões ou cirurgias, a fim de manter mobilidade do joelho e a saúde das articulações;
  • Seguir orientações médicas: Uma das melhores formas de prevenir o surgimento da artrofibrose após cirurgias ou lesões de joelho é seguindo à risca as orientações do ortopedista responsável pelo caso, isso pode incluir o uso de medicamentos anti-inflamatórios, aplicação de gelo, repouso e demais cuidados;
  • Manter uma dieta equilibrada: Para ter uma cicatrização segura e prevenir complicações, também é importante que seja mantida uma alimentação balanceada e hidratação.

Se você sofreu alguma lesão no joelho ou realizou algum procedimento anterior na região e apresenta algum sintoma citado neste artigo, busque um ortopedista especialista em cirurgia de joelho para conseguir o melhor diagnóstico.

Sou o Dr. Diego Moelas, especialista em Cirurgia de Joelho e Artroscopia. Atendo em diversos hospitais de São Paulo (Hospital Sírio Libanês, Hospital Nove de Julho, Hospital Samaritano, Hospital Oswaldo Cruz, entre outros) e estou a sua disposição!

Ficou alguma dúvida?

Entre em contato e agende a sua consulta:

(11) 97489-5500